Strict Standards: Only variables should be assigned by reference in /home2/adois/public_html/plugins/content/article3/article3.php on line 9

Falar de Justiça

ligado . Publicado em Diversos Artigos

Sentimos que é preciso falar de justiça em tempo de emergência social. Porque não é respeitador da dignidade de cada pessoa dar-lhe em sede de caridade aquilo que lhe é devido por justiça. Não é justo um estudante ter que abandonar o Ensino Superior por não ter condições económicas mas também não é justo um estudante ter que andar a recolher migalhas em diferentes portas para continuar os seus estudos, quando lhe é devido um apoio digno pelas instituições responsáveis.

 

É preciso falar de justiça e de igualdade nestes tempos. Porque todos são iguais mas alguns são mais iguais que outros, recordando a alegoria de Orwell. E entretanto os que são menos iguais vão sendo deixados para trás numa sociedade que por vezes evolui na aceção darwiniana: pela seleção natural o mais forte prevalece. O mais frágil fica para trás. Ao mesmo tempo, há uma outra sociedade que emerge… aquela que é construída por todos aqueles que querem ver respeitado cada ser humano e constroem relações assentes na justiça e na solidariedade.

O Estado vai recuando na sua função social até um emagrecimento tal que não sabemos onde vai parar. Não queremos um estado assistencialista, no pior sentido do termo, mas defendemos um Estado justo. Os Serviços de Ação Social veem cada vez mais o financiamento ser reduzido e têm que reinventar a sua própria organização. É certo que é necessária a reorganização mas o Estado (executivo nos seus governos) não pode sufocar este sistema de apoio aos estudantes.

O Estado e as Organizações do Ensino Superior devem mobilizar-se para assegurar a todos um suporte económico justo e digno. Isto passa, a título de exemplo, pela alteração da lei de atribuição de bolsas, recentemente questionada pelo Provedor da Justiça, que exclui à partida aqueles que têm pais com dívidas e que não conseguem organizar um plano de pagamento da dívida. Estando garantido esse suporte, está garantida, já em parte, a justiça.

O Fundo Solidário pretende promover a justiça em todas as suas atividades ao longo do ano. Pretende alertar responsáveis, comunidade académica e comunidade em geral para a necessidade de rever leis e procedimentos e para a necessidade de instituições e pessoas assumirem a sua responsabilidade social solidária.

O Fundo Solidário nasceu para estar disponível – e continuará a estar disponível – para colaborar com os seus parceiros na procura de novas soluções, dentro do que é justo. Não queremos substituir nenhuma instituição nas suas responsabilidades mas queremos colaborar para juntos encontrarmos soluções antes inesperadas. Ao mesmo tempo, vamos continuando a ser resposta, na medida das nossas limitadas possibilidades, para muitos casos em que as instituições já não conseguem dar resposta, e fazemo-nos suporte económico para todos aqueles que não têm outro tipo de apoios ou que têm apoios insuficientes.

O Fundo Solidário é um projeto do Instituto Universitário Justiça e Paz. O Fundo Solidário está dentro da nossa missão e da prioridade de promover a justiça e a paz no respeito da dignidade e dos direitos da pessoa humana. Nestes últimos anos, desde a sua fundação em 2010, o Fundo Solidário tem apresentado algumas notas constantes: disponibilidade, atenção, acompanhamento sério de cada estudante, rapidez nas decisões, mobilização de parceiros, criatividade nas iniciativas próprias ou propostas por outros. Continuaremos a mover-nos nestas águas de sabor límpido, porque não temos qualquer tipo de financiamento habitual e só existimos na mobilização solidária de muitos.

Pe. Paulo Simões
Palavras no Jantar Solidário
Dia 13 de Novembro de 2013